sábado, 5 de outubro de 2013

SEXUALIDADE - MERRILL C. TENNEY. Enciclopédia da Bíblia. Editora Cultura Cristã. Vol. 1. pag. 132-133.



É notável que quando o homem se torna mais depravado, ele começa a criar sua própria linguagem ou gíria. Palavras que são comuns e que condenam suas ações são trocadas por outras ou, às vezes, o sentido do termo é mudado. A definição, o sentido original fica esquecido.
Para escapar da realidade, as palavras da gíria expressam atos, mas não indicam os sentidos morais desses atos.
Assim o homem esconde-se em suas mentiras e palavras mascaradas. Os termos seguintes mostram essa realidade:
Homossexual Gay
Adulterar Fazer Amor
Fornicar Transar
Bastardo Fruto do amor
Beijo Francês Beijinho
Lascívia Sensualidade, admiração
Sodomia Sexo anal e oral
Criança não nascida Feto
Devemos fundamentar nossa vida na verdadeira realidade e não termos medo de sermos condenados. Isso é melhor do que ocultar e mentir sobre nossos pecados e conduta. George Oswell em Política e Linguagem Inglesa diz que há uma ligação entre destruição política e corrupção da linguagem. Como nossa linguagem fica corrompida debaixo da necessidade de defender nossas ações e condições perversas, ela chega a ser mais inexpressível e mais perversa, criando piores condições e um outro tipo de linguagem, ainda mais perverso e indefinido, gerando uma decadência constante.
Foi Deus quem colocou as palavras em nossa linguagem e elas expressam exatamente o que Ele pensava sobre certos atos. Quando o homem muda o sentido ou não usa mais essas palavras, ele corrompe a linguagem ordenada por Deus.
Essa cegueira que cria cretinos mente o resultado de terem rejeitado única autoridade sobre moral e ética.
“Porquanto, tendo conhecimento de Deus não o glorificaram como Deus, nem lhe deram, graças, antes se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos...”, Romanos 1: 21-22.
A Bíblia diz que por não querer nada de Deus, o homem está entregue ao sexo perverso, a uma mentalidade perversa, que produz palavras pervertidas que não têm sentido moral.
O leitor possivelmente vai achar dificuldade em acreditar que você mesmo, a humanidade e muitos na Igreja organizada estão longe do caminho de Deus e morais é inevitável dá Deus, que é a constantemente praticam coisas que são totalmente inaceitáveis a Ele. Mas isto é exatamente o que elevemos esperar quando o sentido das definições das palavras, que são guias morais, estão ignorados e esquecidos.
Nunca teremos um avivamento moral ou uma mudança em nossa conduta até que comecemos a entender e a usar as palavras que descrevem a má conduta.
Se o leitor duvida da existência de tanta corrupção, é bom considerar as palavras de Deus falando sobre o povo antes do dilúvio. Deus, que sabia todos os pensamentos, imaginações de todas as crianças, adolescentes, homens e mulheres na face da terra, disse:
“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuam ente”, Gênesis 6 :5.
Gostaríamos de pensar que aquela geração era mais corrompida que a nossa, mas Deus indicou que a mesma mentalidade perversa iria continuar.
“E o Senhor cheirou o suave cheiro, e disse o Senhor em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem, porque a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice; nem tornarei mais a ferir todo o vivente, como fiz ”, Gênesis 8: 21.
Para entender o que os vícios sexuais são e como eles estão sendo praticados, precisamos entender o que a Palavra de Deus diz e o que as palavras querem dizer ao descreverem estes vícios. Jesus diz em João 13: 3: “Vós estais limpos pelas palavras que vos tenho falado”. Jesus diz que sua palavra limpa, lava, mas se as palavras da Bíblia não são entendidas e recebidas, a limpeza é impossível.
“Porque as obras da carne são manifestas as quais são: prostituição, impureza, lascívia, etc”, Gálatas 5:19.
“Acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”, Gálatas 5: 21b.
“Fazei, poik, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno, e a avareza, que é idolatria: por estas cousas é que vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência”, Colossenses 3: 5,6.
É muito evidente que as pessoas que praticam lascívia, impureza e avareza não herdarão o reino de Deus.
A Bíblia simplesmente diz que a pessoa que pratica lascívia está perdida. Este estudo vai analisar estas palavras:
a) Lascívia
Esta palavra, que é raramente usada, é pouco entendida e pouco explicada. Isso porque o homem quer escapar à condenação do que essa palavra expressa. Veja os sentidos do termo:
Lascívia: Aquilo que produz inclinação à luxúria; o que é desregradamente sensual; libidinagem (definição da Biblioteca do amor e sexo).
Luxúria: Desejos sexuais ilícitos e maus; libertinagem, sensualidade. Lascívia: A tendência de excitar desejos sexuais fortes ou avareza imoral, fora do contexto do casamento.
Atos de exibicionismos obscenos e sensuais, sujos e eróticos (Webster New Universal Dictionary).
Lascívia: Caracterizada como cobiça, desejos sexuais.
A maioria das literaturas populares consiste em contos ou narrativas lascivas. Significa falta de controle e disciplina, não se domina sexualmente. Excitam-se a si ou a outra pessoa. (Heritage Dictionary Edition).
Em poucas palavras, lascívia são atitudes, atos, procedimentos e imaginações que estimulam e excitam a si ou a outras pessoas séxualmente, fora do casamento; também inclui atos obscenos de gestos imorais.
Observe uma breve lista das maneiras pelas quais uma pessoa pode praticar lascívia:
• Beijos e abraços ardentes entre os que namoram são uma forma de lascívia.
• Imaginações e fantasias eróticas, manipulação da vagina e do pênis para excitar-se a si ou a outras pessoas.
• Músicas como rock and roll, cujo ritmo sugere o ato sexual; exibir-se numa maneira que cria desejos sexuais numa outra pessoa.
• Nudez pública é lascívia; uso de minissaias, roupas de banho (biquinis) são procedimentos escandalosos em público.
• Gestos e movimentos do corpo semelhantes às relações sexuais entre homens e mulheres.
• O homem ao imitar os gestos ou modos de falar e andar de um efeminado está cometendo lascívia. Os beijos ardentes e abraços frenéticos dados por casais em público, sejam casados ou não, são considerados lascívia.
• Sinais que sugerem interesses sexuais para com outras pessoas fora do casamento é lascívia.
• Danças que sugerem o ato sexual e outros contatos físicos que excitam é lascívia.
• Gestos indecentes que homens ou rapazes fazem para mulheres, quando passam, é lascívia.
• O uso de pornografias indecentes, imorais e maliciosas sobre sexo e seu uso é lascívia.
• Gracejos e piadas que fazem menção ao sexo ilícito é lascívia.
• A onda de pornografia que invade o mundo é lascívia.
• A avalanche de livros e revistas pornográficas que infestam o mundo é lascívia.
Há inúmeras maneiras de se praticar a lascívia. Ela coloca a humanidade e muitos na Igreja em estado de condenação, do qual somente o arrependimento verdadeiro poderá libertar e salvar da perdição.
Possivelmente, o leitor, agora, pode entender melhor porque Deus, olhando a humanidade, disse:
“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicava sobre a terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente”, Génesis 6 :5 .
Imaginações eróticas têm ocupado uma grande parte do pensamento do homem e da mulher. Deus não teria dito isso sobre o povo antes do dilúvio, se estas imaginações eróticas não fossem erradas e condenáveis.
Esta realidade será mais evidente na continuação deste estudo.
A tristeza e frustração de Paulo é muito evidente na seguinte passagem, e qualquer pessoa que já tenha ensinado nesta área tem enfrentado a mesma frustração e tristeza por causa da incredulidade do povo e da Igreja.
Esta é uma das escrituras bíblicas mais importantes que falam contra o pecado do vicio sexual. Paulo repetiu três vezes, em poucas palavras, a triste realidade de que aqueles que praticam impureza, lascívia e avareza estarão perdidos eternamente se não abandonarem seus pecados.
Quando Deus, pelas suas palavras, repete por três vezes o mesmo aviso, o leitor deve acatar.
“Mas a impudicícia e toda sorte de impurezas, ou cobiça, nem sequer se nomeie entre vós, como convém a santos; ( i) nem conversação torpe, nem palavras vãs, ou chocarrices, cousas essas inconvenientes, antes, pelo contrário, ações de graça. (2) Sabei, pois, isto: nenhum incontinente, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus. (3) Ninguém. vos engane com palavras vãs; porque por estas cousas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. (4) Portanto não sejais participantes com eles”, Efésios 5: 3-7.
O vocábulo grego "pornos" está traduzido neste texto pelas palavras impudicícia e incontinência. Esses termos englobam todos os vícios sexuais bem conhecidos e nominados, como prostituição, adultério, homossexualismo, etc.
Mas impureza engloba todos os tipos de emissões sexuais, até entre os casais. Mas quase sempre o tipo de emissões sexuais está identificado pelas palavras cobiça e idolatria, que censura ou condena.
O apóstolo Paulo está falando, no texto acima, sobre pecados nomeados, como a prostituição, que é bem conhecida, mas também está falando sobre vícios sexuais que não são nomeados, mas são reconhecidos e identificados pelas transgressões de cobiça, lascívia e impureza.
Este grupo é chamado de idólatra. O texto fala sobre “toda sorte de impureza”, mostrando que toda sorte de pecados sexuais está categorizado na palavra impureza, Efésios 4: 19. As palavras “toda sorte de impureza” também.
Provavelmente não fosse necessário para Paulo usar as palavras cobiça e idolatria, para descrever vícios como fornicação e adultério, que são nomeados na Bíblia e bem conhecidos e condenados. Mas era muito importante usar cobiça, lascívia e impureza para identificar pecados ou vícios sexuais não nomeados nem designados. Vemos novamente esta divisão em:
“Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e avareza que é a idolatria”, Colossenses 3: 5.
Mais uma vez temos um grupo de pecados designados por cobiça e idolatria. Este grupo também é chamado de impureza. Novamente vemos esta classificação em: “Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis, nem os impuros, nem os idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas etc., herdarão o reino de Deus”, I Coríntios 6 :9 .
Paulo colocou os impuros e idólatras juntos novamente, o que indica que há uma classe de pecados que está separada daqueles que já foram nomeados e são melhor conhecidos. A impureza está colocada em primeiro lugar e todos os pecados nomeados depois são diferentes formas de impureza.
O maior problema dos líderes das Igrejas não é o de convencer o povo de que adultério, fornicação, prostituição, homossexualismo são condenados, mas sim de que os pecados não nomeados são condenados pelas transgressões de cobiça e idolatria. Todos os dicionários concordam que as palavras lascívia e cobiça são palavras sinônimas.
b) Impureza
Para entender melhor a palavra impureza do ponto de vista dos judeus vê-se que emissões dos órgãos sexuais tornavam o homem e a mulher impuros. Os escritores do Novo Testamento eram judeus e para eles, quando um homem tinha um orgasmo, então ele tornava-se impuro e deveria ficar fora do acampamento e tomar um banho. Qualquer orgasmo voluntário ou involuntário colocava um homem em estado de impureza.
Mas há uma impureza composta totalmente de cobiça, que é idolatria. Quando uma pessoa pratica a cobiça, que é a idolatria, orgasmos (impureza) são inevitáveis, voluntários ou involuntários. Pelo processo de eliminação, não temos outra definição, mas a impureza é uma palavra que engloba todos os vícios sexuais. E todos os vícios sexuais são diferentes maneiras de provocar orgasmos. Cobiça e impureza são inseparáveis. O Novo Testamento sugere que os orgasmos noturnos não são totalmente inocentes e fazem o homem impuro fisicamente, senão também moralmente. Orgasmos noturnos são evidentemente censurados aqui. São considerados involuntários. A pergunta que o leitor deve fazer a si mesmo é a seguinte: O que Deus deve pensar sobre orgasmos voluntários, provocados de propósito pelos desejos malignos e paixões lascivas?
“E contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne...”, Judas 1:8.
Até os orgasmos noturnos são em muitos casos ligados com sonhos eróticos de cobiça e lascívia.
Há muitas maneiras de praticar impureza, ou provocar orgasmos, mas nem um deixa de ser fruto dar cobiça ou de desejos malignos, se fora do contexto do casamento praticados.
Quando analisamos bem a palavra impureza nós não achamos outra definição alternativa. Por isso os judeus ultra ortodoxos consideram masturbação um dos pecados mais graves.
O texto de Efésios 5: 3-7 fala sobre “toda sorte de impureza”, mostrando que todos os tipos de pecados sexuais estão caracterizados na palavra impureza. Efésios 4: 19 também usa a expressão “toda sorte de impureza”.
Outros textos das Escrituras, igualmente, afirmam que a cobiça produz impureza.
Paulo admoestou seus leitores a deixarem a impureza, Romanos 6: 19, que fora provocada pela cobiça, Romanos 1: 1. O texto de II Pedro 2: 10, no grego, fala sobre a cobiça que contamina, polui, suja.
Efésios 4: 19 diz: “os quais, tendo se tornado insensíveis, se entregaram a dissolução para, com avidez, cometerem toda sorte de impureza”.
A palavra impureza fala de impureza física (emissões), mas também impureza espiritual e moral estão incluídas. Paulo nos diz que há dois tipos de impureza:
física e espiritual.
“Tendo, pois, á amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espirito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus”, II Co. 7 :1 .
Não importa como a palavra impureza seja interpretada, quer seja física, quer espiritual. Nenhuma das emissões sexuais fora do contexto do casamento escapa às duas definições de impureza. E o pecado de cobiça, que é idolatria, acompanha a impureza:
“Fugi da impureza! Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer, é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo”, I Co. 6:18.
c) Cobiça
A palavra cobiça já tem sido bastante usada neste estudo, mas também não é bem entendida. Por isso muitos erram. Para entender por que masturbação e outros vícios são frutos da cobiça é necessário entender bem o que cobiça quer dizer.
“Deus disse: não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do seu próximo”, Êxodo 20: 17.
A definição de cobiça é a seguinte:
1. desejar o que é da outra pessoa;
2. querer excessivamente, culpadamente;
3. desejar fortemente (The American Heritage Dictionary da Linguagem Inglesa).
A Bíblia diz que não devemos desejar fortemente coisas que pertençam a outra pessoa. Então, melhor dizendo, temos mais um princípio que nós não devemos desejar o que é ilícito, ilegal, imoral, sujo, perverso, inaceitável e vergonhoso. Essas coisas não pertencem ao homem bom e reto. Elas são do diabo e pertencem ao reino da maldade. Sexo não pertence de qualquer forma aos solteiros, separados, divorciados, e desejar sexo é paixão lasciva, desejo maligno e avareza, que é idolatria. Nós temos exemplos claros de cobiça na Bíblia, que mostram todos estes princípios:
“Que te guiou por aquele grande e terrível deserto de serpentes ardentes e escorpiões e de secura, em que não havia água; e tirou água para ti da rocha do seixo; que no deserto te sustentou com maná, que teus pais não conheceram: para te humilhar, e para te provar para no fim te fazer bem ”, Deuteronômio 8: 15-16.
Em todos os passos o povo de Israel era guiado por Deus. O povo sabia disso. Fie sabia que Deus tinha um plano para sua vida, como Ele tem um plano para todas as vidas dos que se entregam a Ele.
Quando nossos desejos não estão cm harmonia e conformidade com os desejos, leis e lideranças de Deus, nós estamos cobiçando coisas más e somos avarentos. Cobiçar a ponto de ficar excitado é cobiça c lascívia e inevitavelmente leva ao orgasmo voluntário ou involuntário, que é impureza.
Mas o povo em geral reage de uma maneira perversa ao amor e cuidado de Deus.
“II o povo falou contra Deus e contra Moisés: por que nos fizestes subir do Egito, para que morrêssemos neste deserto? Pois que nem pão nem água há; e nossa alma tem fastio deste pão tão vil. Então o Senhor mandou entre o povo serpentes ardentes, que morderam o povo; e morreu muito povo de Israel”, Números 21: 5-6.
Neste caso o povo estava cobiçando coisas que não eram más. Comida boa não é pecado, se providenciada por Deus, mas neste caso eles sabiam que não era a vontade de Deus que tivessem a comida cobiçada. Sexo é bom, mas só no contexto do casamento. F, totalmente proibido para solteiros, separados e divorciados; todos sabem disso.
O que não se pode conseguir legalmente não deve ser desejado.
Uma coisa deve ser bem entendida: cobiçar não quer dizer que a pessoa que está cobiçando irá praticar o que está desejando. Quando se pratica o adultério ou fornicação já se passou da cobiça para a concretização do ato. Há pessoas que vivem praticando cobiça, mas acham que se não praticam o que estão desejando não são culpados desses atos. F, possível que a pessoa, quando está cobiçando, ache errado, perigoso e que não é a vontade de Deus praticar essas coisas. Porém o fato de que eles estão desejando ou que não estão em conformidade com os desejos de Deus no seu estado de solteiro, coloca-os em oposição e conflito com as leis e desejos de Deus. O povo de Israel não voltou para o Egito porque na realidade não queria ser escravo de novo, c tinha medo de desobedecer a Deus. Assim vivem muitos crentes. O Egito sempre foi um símbolo de pecado.
Cobiça c sempre misturada com murmuração.
Uma pessoa que pratica masturbação e outros vícios sexuais sente vergonha e remorso, mas geralmente quer justificar-se. Uma pessoa que justifica a sua maldade condena a Deus. O povo de Israel condenava a Deus por seu estado de insatisfação. O homem e a mulher viciados dizem: Por que Deus me criou assim? Ninguém aguenta tantos desejos sexuais. Por que Deus deu tanto desejo sexual para uma pessoa que é nova demais para casar-se?
Por que há tantos demônios que me tentam? etc. Não têm fim os argumentos usados pelo homem para se auto-justificar, mas que culpam e condenam a Deus.
Agora é possível entendermos as palavras de Jesus que falam sobre a cobiça.
“Ouviste o que foi dito aos antigos, não cometerás adultério. l:u, porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela”, Mateus 5: 27 e 28.
Jesus nos disse que cobiça é um ato de adultério mental. Deve ser repetido que cobiça não quer dizer que a pessoa, desejando sexo com uma mulher, adulteraria com ela ou que uma pessoa que está desejando uma coisa iria roubar aquilo. Há muitas pessoas que acham errado adulterar, mas praticam todas as coisas iniciais ao adultério. Na realidade já cobiçaram e estão gozando de todos os prazeres preliminares do adultério ou fornicação física. E a cada momento eles ficam se beijando e se abraçando, se excitam mais e cobiçam mais, numa orgia de lascívia. Jesus não estava falando simplesmente de olhar de perto, mas de levar a mulher para o quarto, nas imaginações, para ter sexo com ela.
É muito difícil para as pessoas que estão constantemente praticando cobiça acreditar que estão transgredindo as leis de Deus e que são adúlteros e idólatras. Mas nós vimos este princípio claramente ensinado em uma outra situação. Por exemplo: uma pessoa é assassina se desejar atos de vingança contra outra. A vingança pertence a Deus e está proibida aos homens. O Senhor exige que se peça perdão.
“Qualquer que aborrecer o seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem nele vida eterna”, I João 3: 15.
Uma vez o autor perguntou a um grupo de mocidade da Igreja se eles acreditavam nas palavras de Jesus neste texto. Todos disseram que sim. Fu lhes disse:
“Vocês não acreditam no que Fie disse. Vocês já passaram este ponto muitas vezes e não estão só olhando e desejando, mas já estão gozando o prazer do corpo dela.
Estão excitando-se a si mesmos e a ela. Estão a cada momento que passa cobiçando mais e mais”. A mocidade da Igreja em geral está escravizada nos pecados sexuais.
Os jovens na sua maioria, não ficam juntos cinco minutos sozinhos e já se agarram e o maior divertimento deles é a cobiça, lascívia, impureza e masturbação.
Nossas tradições e nossos maus costumes por muitas gerações têm anulado a Palavra de Deus. Chegamos a ser totalmente cegos. O que os pais fizeram os filhos fazem; e o que os pastores fizerem as suas congregações também o farão; e o que não c controlado é legalizado. A Bíblia não perde tempo ou espaço em descrever as inúmeras maneiras pelas quais uma pessoa pode praticar impureza e provocar um orgasmo ou lascívia e cobiça. A lista com detalhes seria mais um livro de pornografia. Por isso o Espírito Santo colocou masturbação e outros vícios sexuais na categoria de impureza, paixão lasciva, desejos malignos e avareza, que é a idolatria. E não há dúvida de que há uma infinidade de maneiras de praticar impureza.
O leitor acha que Deus vai dizer que não se deverá provocar o orgasmo dançando, lendo pornografias, pelas intimidades criadas pelos dois quando ficam sozinhos, etc. A palavra impureza engloba todos os pecados sexuais que o homem ou a mulher podem cometer. Às vezes a palavra prostituição deve ser traduzida como impureza.
Por exemplo pomeia é às vezes traduzida como prostituição (às vezes), mas engloba também qualquer desregramento sexual e não somente prostituição. Com nosso melhor conhecimento das palavras que descrevem os vícios sexuais, temos condições de entender melhor esta afirmação bíblica.
“Adas por causa da impureza cada um tenha a sua própria mulher e cada uma tenha o seu próprio marido. ( 1 ) 0 marido pague à mulher a devida benevolência, da mesma sorte a mulher para o marido. (2) A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido. E também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o próprio corpo, mas tem-no a mulher”, I Coríntios 7: 2-4.
Se confrontarmos esta passagem com as outras escrituras com a qual está ligada, somos obrigados a aceitar esta interpretação. Por causa de impurezas e vícios sexuais o marido e a esposa devem cumprir as suas obrigações sexuais um para com o outro. Porque nenhum deles tem o direito ou a autoridade de excitar-se e praticar a impureza para procurar obter prazer só para si.
Todas as atividades sexuais que não sejam com seu cônjuge são chamadas de impurezas.
Um dia uma senhora queria conversar comigo. Eu vi que ela estava muito perturbada e triste. Ela me disse que o marido (um crente) não queria ter relações sexuais com ela; disse-me que a casa dela estava cheia de livros pornográficos e que seu marido foi achado masturbando-se e por isso ela se julgava muito rejeitada. Ela queria saber o que deveria fazer. A preocupação dela era tão grande que foi aconselhar-se com vários pastores. E possível duvidar que o marido dela vivia constantemente cobiçando mulheres das suas fantasias, as mulheres de revistas pornográficas? Pela informação que já temos acerca da cobiça, lascívia, impureza, é impossível duvidar que este homem vivia constantemente no estado de adultério mental e que vivia cobiçando mulheres da sua fantasia e ignorando e rejeitando a sua própria esposa? Essas fantasias são uma forma de loucura que vêm diretamente do inferno. E cada geração faz o mesmo.
“Este é o mal que há entre tudo o que se faz debaixo do sol: que a todos sucede o mesmo; que também o coração dos filhos dos homens está cheio de maldade; que há desvarios no seu coração, na sua vida e que depois se vão aos mortos”, Eclesiastes 9: 3.
E quase toda a mocidade vive esta loucura. Há homens e mulheres que imaginam outros parceiros quando tem relações sexuais com seu cônjuge. E outras pessoas leem revistas de pornografias antes de ter sexo com seu companheiro e, na realidade, estão cobiçando essas mulheres c estão se excitando ao desejá-las. Isto é adultério mental.
John Wenkley, o homem que tentou matar o presidente Reagan, ficou apaixonado pela foto de Jodie Foster seminua. Os desejos sexuais tornaram-se uma obsessão e a cobiça por ela crescia tanto que ele faria qualquer coisa para impressioná-la, ate o assassinato. Foi fantasia de loucura que levou-o a fazer um absurdo desses.
E deve ser dito que o marido não deve cobiçar a sua própria esposa quando ela não está ou não tem condições de manter relações sexuais. A cobiça pela esposa pode levar a tantos desejos sexuais que conduzem uma pessoa à masturbação e a procurar outras mulheres.
Sem dúvida isso tem acontecido milhares de vezes.
E quantas vezes essas fantasias eróticas têm levado um homem ou uma mulher a uma loucura de masturbação, fornicação, estupro, assassinatos e até a se suicidar.
Por isso Deus diz: “Não cobiçarás”. Abandone o que não pertence a você moral e livremente 1 1 0 seu estado como solteiro, divorciado, separado.
Prezado leitor, esses pecados não são brincadeiras, mas pecados tão sérios que não há nada demais que um homem ou uma mulher podem fazer para evitá-los e possam ser libertos deles. Jesus, continuando a orientar sobre cobiça, diz:
“Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti, pois te è melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno. E se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca do que seja todo o teu corpo lançado no inferno”, Mateus 5: 29-30.
Jesus disse que é melhor arrancar os olhos que . provocam cobiça, se não se pode dominá-los, e até mesmo cortar o braço direito.
“A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!”, Mateus 6: 2,2-23.
Jesus nos diz que os olhos são a candeia do corpo e a luz da candeia ilumina; mostra e chama a atenção. A luz neste caso, como qualquer luz, pode ser boa ou ruim.
A luz má pode iluminar pornografia, áreas eróticas das moças que passam e todos os tipos de maldade. Se existe esta luz nos seus olhos, que constantemente iluminam estas coisas no seu corpo ou moradia, você está em perigo de escuridão total.
O versículo diz: “se portanto a luz que em ti há são trevas, quão grandes trevas serão ”y Se os olhos são levados a olhar e desejar coisas más, evidência existe de que o seu olhar está sendo influenciado pelo maligno. Os demónios manifestam, iluminam coisas más e eróticas, e uma pessoa pode sentir esta influência maligna, e deve fazer tudo para resistir a luz que ilumina a tentação má e erótica. Lúcifer quer dizer “portador de luz”. Esta luz originalmente dada por Deus é agora iluminadora da maldade.
O autor sentia esta força maligna, experimentando levar os seus olhos a olhar as moças e coisas que não prestam muitas vezes. Ele também era diretor de uma casa de recuperação e ensinava frequentemente sobre estes assuntos. Depois os recuperandos foram informados sobre esta realidade e todos reconheceram a influência do maligno nos olhos, experimentando focalizá-los nas pessoas e coisas que tentam. Esta cobiça que pode ser criada nos olhos pelos demónios é uma parte da concupiscência mencionada em Romanos, nos capítulos 6-7.
A Bíblia fala sobre olhos de adultério em II Pedro 2: 14:
“Tendo os olhos cheios de adultério, e não cessando de pecar, engordando as almas inconstantes, e tendo o coração exercitado na avareza, filhos da maldição”.
Jesus nos diz não há nada demais que possamos fazer para escapar às influências do maligno.
A Bíblia indica que a maldade que passa pelos olhos do homem é como o inferno. Os olhos do homem nunca estão repletos de maldade mas sempre têm mais um lugar quando os iluminadores dos olhos são os demônios. Não há maldade que chega.
“O inferno e a perdição nunca se fartam, e os olhos dos homens nunca se satisfazem”, Provérbios 27: 20.
O demônio apresenta ao homem e à mulher visualizações mentais ou possivelmente espirituais. Por exemplo uma pessoa pensa em outra do sexo oposto e, sem querer, numa visualização, apresenta-se uma cena erótica. Essas visualizações vêm do maligno e podem criar na pessoa uma corrente de imaginações eróticas que são imaginações de cobiças e lascívia.
As visualizações são dirigidas aos olhos das pessoas.
O autor leu uma vez que a mocidade pensa em sexo oposto quarenta ou cinquenta por cento do seu tempo (como eles sabem disto não sei). Um moço contou quantas vezes a mente dele foi levada a imaginações eróticas. Ele disse 600 vezes em um dia (provavelmente isto seja um exagero). Mas a pergunta que podemos fazer é quanto tempo a mocidade pensa sobre o sexo. A resposta é bastante evidente. Se esses pensamentos e imaginações não fossem errados (repetimos), Deus não teria dito, falando ao povo antes do dilúvio, que todas as imaginações do coração do homem eram más continuamente.
Jó reconheceu esta força maligna e disse: “Fiz concerto com os meus olhos; como, pois, os fixaria numa virgem ?”, Jó 31: 1.
Todos nós devemos fazer o mesmo concerto com os nossos olhos como Jó fez e resistiremos a todo apelo de sexualidade, erotismo e pornografias que tentam invadir-nos.
O leitor sem dúvida está perplexo, um pouco confuso, e provavelmente sente dor e tristeza sobre sua vida e pode perguntar-se: F, possível que muitos na Igreja estejam tão errados? A resposta é muito simples: somente oito pessoas foram salvas do dilúvio, onde milhões de pessoas morreram.
Mais do que dois milhões de israelitas saíram do Egito, porém poucos entraram na Terra Santa. “(1) E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos são os que a encontram. (2) Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores... (3) Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demónios, e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: (4) Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade. (5) Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha”, Mateus 7: 14-23. “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus”.

Google+ Followers

Seguidores